spot_img
InícioNotíciasMinistro de Lula quer dar autonomia ao governo para demitir presidente do Banco Central

Ministro de Lula quer dar autonomia ao governo para demitir presidente do Banco Central

Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, tem mandato até o fim de 2024

Um dos aliados de primeira linha do governo, o ministro da Casa Civil, Rui Costa, saiu em defesa de mudanças na lei de autonomia do Banco Central (BC) de forma a autorizar o presidente da República a demitir o presidente da instituição.

Hoje, a lei diz que o presidente da República pode encaminhar ao Senado um pedido de exoneração antecipada do presidente do BC em caso de descumprimento de suas obrigações, entretanto a medida precisa ser chancelada pelos senadores.

“Nos Estados Unidos, o presidente eleito, depois de 12 meses de mandato, pode substituir o presidente do Banco Central independente”, afirmou Costa. “Porque se a nação legitimou um projeto econômico, de nação, através do voto, da democracia, isso é mais forte do que a concepção ideológica, o projeto de uma pessoa que está presidindo o Banco Central”, disse o ministro em almoço organizado pela Frente Parlamentar do Empreendedorismo (FPE).

Mandato de Campos Neto à frente do Banco Central

Banco Central
Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, durante audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado. (CAE) | Foto: Lula Marques/ Agência Brasil.

O presidente do BC, Roberto Campos Neto, tem mandato até o fim de 2024. Rui Costa lembrou que o dirigente foi indicado pelo ex-presidente Jair Bolsonaro, que teve seu projeto político-econômico derrotado nas urnas no ano passado.

“Aqui no Brasil, vamos ter que esperar o final do segundo ano do presidente para fazer substituição. É algo que precisaria ser ajustado na lei. Se é para adotar o projeto de Banco Central independente, vamos, ao menos, olhar o que tem dado certo em outros países”, defendeu o chefe da Casa Civil.

Rui Costa voltou a dizer que nenhum ator econômico do país defende a manutenção da taxa de juros. “Nada na gestão pública, na economia é bom tratar com dogmas”, defendeu o ministro.

Revista Oeste

DEIXE SEU COMENTÁRIO
spot_imgspot_img

.Artigos Relacionados
Artigos

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com