InícioNotíciasHomem diz a ex-companheira que ele é melhor que ela por não...

Homem diz a ex-companheira que ele é melhor que ela por não ter ‘filhos negros e gays’

1

Um grafista é suspeito de encaminhar áudios de cunho racista e homofóbico para a ex-companheira, em Goiânia. Na conversa, Rullyan Alves Costa se diz melhor do que a auxiliar de limpeza Jovenice Pereira da Cruz, de 44 anos, por não ter filhos negros e gays.

“Nenhum filho meu é negro, não tenho filho negro, que pode ser parado pela polícia, etc. Eu não tenho filho gay, que pode ser discriminado, tipo afeminado. Então, eu tenho uma vantagem muito grande sobre você. Você pode ser muito bem sucedida nas coisas que você faz, mas pelo menos meus filhos são héteros, são brancos. Os seus não”, disse.

Segundo Jovenice Pereira, situações como essa era comum durante os quase dois anos em que ela viveu com Rullyan Alves. Inclusive, ofensas com palavras de baixo calão. Entretanto, ela conta que ficava calada quando os xingamentos eram voltados contra ela, mas não aguentou ao ouvir as ofensas criminosas serem dirigidas aos filhos.

Ela, então, registrou um boletim de ocorrência no Grupo Especializado no Atendimento à Vítima de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância, o Geacri. “Quase não saio mais de casa. Ele já tinha me ofendido verbalmente antes, falando que não gostava de negro, de gay. Antes eu preferia guardar para mim e não levar para frente”, disse.

Rullyan Alves, inclusive, é uma figura conhecida nos estádios por ser o torcedor Darth Verde, do Goiás Esporte Clube.  Procurado pela CBN, ele confirma o envio dos áudios, diz que se arrepende do que falou e que sabe que vai ter que responder criminalmente por tudo o que disse. Além disso, alegou que estava embriagado quando encaminhou os áudios e que se irritou após a mulher pedir para que ele lhe devolvesse tudo o que ela teria dado enquanto estavam se relacionando.  “Ela fez o certo em procurar os direitos dela. Eu posso dizer com toda franqueza que não foi a educação que meus pais me deram, mas essas coisas enraizadas na nossa sociedade se externam em momentos em que a gente se sente diminuído”, completou.(CBN)

Por:
spot_imgspot_img

.Artigos Relacionados
Artigos