24/06/2017 17:57

Dia D contra a paralisia infantil será neste sábado

CATEGORIA: saude

Neste sábado, 8 de junho, todas as crianças de seis meses a menores de 5 anos devem ser vacinadas contra a pólio, paralisia infantil. O Dia D da Campanha Nacional de Vacinação Contra a Poliomielite acontece no sábado, mas a vacinação vai até o dia 21.

A meta do Ministério da Saúde é fazer com que o Brasil continue livre da doença. Em Goiás, devem ser imunizadas 307.189 crianças, o que representa 95% do contingente total (407.568). Serão disponibilizados 854 postos fixos de vacinação, além de 2.450 volantes. 13.150 pessoas das secretarias de Saúde e entidades envolvidas estarão mobilizadas com 890 viaturas/embarcações para levar a vacina até os locais de difícil acesso e à zona rural.

Nos postos fixos, os agentes de saúde também irão imunizar as crianças de seis meses a menores de dois anos com a segunda dose da vacina contra a influenza. Também será possível atualizar o Cartão de Vacinas.

Esta é a 34ª edição da campanha. Há 24 anos não é registrado nenhum caso da doença no País. Todos os anos Goiás alcança a meta do Ministério da Saúde, que é imunizar 95% das crianças em idade de receber a vacina.

A gerente de Imunizações e Rede de Frio da SES, Clécia Vecci, informa que os municípios já concluíram as capacitações. A expectativa, segundo ela, é de que a meta seja alcançada, mas o ideal mesmo seria ultrapassá-la e chegar a 100% das crianças imunizadas. “A pólio ainda não está erradicada no mundo e, enquanto existir, o Brasil só estará protegido se todas as crianças estiverem vacinadas. Do contrário, o País estará vulnerável.  Isso exige que os pais, responsáveis e profissionais de saúde compreendam que a vacinação continua sendo importante, pois a imunização é a única proteção contra a doença. 95% não é 100%”, alerta a gerente.

Contraindicações

A vacina contra a pólio é considerada extremamente segura e as reações adversas são raras: ela não tem contraindicações, mas em alguns casos é melhor esperar um pouco antes de dar as duas gotinhas às crianças. É melhor evitar a vacina quando houver: infecção, acompanhada de febre acima de 38ºC; hipersensibilidade conhecida a algum componente da vacina; histórico de reação anormal à vacina; deficiência imunológica devido a tratamento com imunossupressores ou deficiência imunológica congênita;  paralisia flácida associada à vacina, após dose anterior.

Poliomielite

A poliomielite (paralisia infantil)  é uma doença infectocontagiosa aguda, causada por um vírus que vive no intestino, denominado Poliovírus. Embora ocorra com maior frequência em crianças menores de quatro anos, também pode ocorrer em adultos. O período de incubação da doença varia de dois a trinta dias sendo, em geral, de sete a doze dias.

A maior parte das infecções apresenta poucos sintomas (forma subclínica) ou nenhum e estes são parecidos com os de outras doenças virais ou semelhantes às infecções respiratórias como gripe – febre e dor de garganta – ou infecções gastrintestinais como náusea, vômito, constipação (prisão de ventre), dor abdominal e, raramente, diarreia. Cerca de 1% dos infectados pelo vírus pode desenvolver a forma paralítica da doença, que pode causar sequelas permanentes, insuficiência respiratória e, em alguns casos, levar à morte.

Transmissão

A transmissão do vírus da poliomielite se dá através da boca, com material contaminado com fezes (contato fecal-oral), o que é crítico quando as condições sanitárias e de higiene são inadequadas. O Poliovírus também pode ser disseminado por contaminação da água e de alimentos por fezes. A doença também pode ser transmitida pela forma oral-oral, por meio de gotículas expelidas ao falar, tossir ou espirrar.

Myla Alves – Assessoria de Comunicação da AGM, com informações do Goiás Agora.

 

PUBLICIDADE