18/12/2017 06:45

Falta de quórum interrompe votação da MP dos Portos na Câmara

CATEGORIA: politica

Fabiano Costa Do G1, em Brasília

Por falta de quórum, a Câmara foi obrigada, na madrugada desta quinta (16), a interromper a sessão extraordinária destinada a concluir a votação da medida provisória 595/2012, que estabelece novas regras para o setor portuário, a chamada MP dos Portos.

Líderes governistas passaram a chamar os deputados que já estavam em casa para que retornassem à Câmara. Até a publicação desta reportagem, o presidente Henrique Alves (PMDB-RN) aguardava que o quórum fosse alcançado para retomar a votação.

Antes da interrupção, os deputados conseguiram terminar a votação de todas as emendas e destaques ao texto principal, que já tinha sido aprovado na madrugada de quarta. Mas faltou votar a redação final do texto.

A votação estava se encaminhando para o final quando, às 2h17, o prazo máximo de duração da sessão (cinco horas) se esgotou, e o presidente Henrique Alves (PMDB-RN) foi obrigado a encerrá-la e convocou uma nova, para imediatamente em seguida, às 2h19.

Com isso, até o momento da publicação desta reportagem, o quórum mínimo de 257 deputados não tinha sido alcançado. Oposicionistas, que tentavam obstruir a sessão, não registravam presença, embora estivessem na Casa.

Parte dos deputados da base aliada do governo foi embora porque pensou que a sessão tivesse acabado após o fim da votação das emendas e destaques.

Um desses casos foi o deputado Jerônino Goergen (PP-RS). Convencido de que a sessão havia se encerrado, após mais de 14 horas de debates, ele deixou o Congresso e foi para casa.

Já deitado na cama, o parlamentar gaúcho foi acionado pela liderança de seu partido para retornar ao Legislativo e ajudar a garantir o quórum para a última votação da redação final da medida provisória, último item do projeto antes de o processo ser concluído.

“Achei que havia terminado. Os líderes já estavam parabenizando os deputados pela aprovação da MP”, contou Goergen ao G1.

Às 4h, havia 244 parlamentares no plenário. O presidente da Câmara, Henrique Alves, informou aos colegas que iria aguardar o tempo que fosse necessário para que o quórum fosse alcançado.

 

 

PUBLICIDADE